segunda-feira, 22 de junho de 2015

IMPORTÂNCIA DA BONDADE











21/06/2015 


A IMPORTÂNCIA DA BONDADE

Em nossas páginas deste Blog, ao longo do tempo de sua existência, temos abordado diversos assuntos – alguns – reconhecemos – até mesmo de natureza polêmica, procurando, sobretudo, provocar os pensamentos.
Conforme temos dito à saciedade, o Espiritismo, na revivescência do Cristianismo, é uma doutrina que, gradativamente, vem avançando, e há de avançar sempre – no que pese a posição excessivamente conservadora de certos confrades, que, talvez, tenham a função, inconsciente para eles, de não consentir que o seu avanço aconteça tão rapidamente que não permita, aos espíritos mais vagarosos, acompanhá-lo.
Hoje, no entanto, queremos ressaltar a importância de o espírito, esteja ele encarnado ou não, cultivar a bondade, em suas menores atitudes no cotidiano.
Chico Xavier, em determinada oportunidade, considerou com a propriedade de sempre:“Quem sabe pode muito; quem ama pode mais.”
Agostinho, o célebre Bispo de Hipona, um dos integrantes da Falange do Espírito Verdade, escreveu: “Ama e faz o que quiseres. Se calares, calarás com amor; se gritares, gritarás com amor; se corrigires, corrigirás com amor; se perdoares, perdoarás com amor. Se tiveres o amor enraizado em ti, nenhuma coisa senão o amor serão os teus frutos.”
A bondade é a expressão mais imediata do amor, acessível, em seu exercício, a todo e qualquer espírito que deseje começar a vivenciá-la em relação ao próximo.
Amar – pelo menos, digo isto em relação a mim, um pobre coitado! – é muito difícil – sinceramente, de minha parte, a não ser em Jesus Cristo, não sei a quem eu poderia apontar como sendo indiscutível modelo de amor.
Perdoem-me caso, porventura, vocês conheçam alguém que eu não conheça, e, sinceramente, gostaria de conhecer pela sua capacidade de amar.
Conheço inúmeros “saberetas” – dentro e fora do Espiritismo – muita gente de relativa culta, erudição, que prima pela inteligência, que, às vezes, presume saber mais do que realmente sabe. Creio que, no que tange a real sabedoria, Sócrates, o pai da Filosofia, tenha feito quase tudo mundo se calar, quando afirmou: “Só sei que nada sei.”
Entretanto – voltando ao assunto –, conheço muito pouca gente que notadamente se esforce no campo da bondade humana – não da Bondade Divina! Da bondade humana – repito.
Treinar a virtude da bondade, ou tal qualidade, na nossa impossibilidade atual de santidade, é algo que, de fato, deveria nos preocupar – cotidianamente. E isto se nos faz perfeitamente possível através de pequeninos gestos – mesmo porque de maiores gestos, talvez, não sejamos capazes.
Importante que procuremos reter conosco o conteúdo elucidativo de um livro, seja ele de ordem mediúnica ou não. Mas, importante também que, de todas as suas páginas, pelo menos um de seus parágrafos, ou uma de suas frases, nos inspire a sermos melhores do que somos.
Neste sentido, surge a CARIDADE – A ESCOLA DO CORAÇÃO!
Façamos a força que nos seja possível, até em certo revolver de entranhas, para vencer a enorme distância que nos separa de nossos semelhantes, pois ela ainda é muito maior do que pensamos.
Para começarmos, além de estendermos a moeda ao mendigo do semáforo, que, anonimamente, sempre nos aborda, na primeira oportunidade, perguntemos a ele o seu nome – e, em vez de fazermos mal juízo de sua condição de mendicante, tentemos nos penalizar de sua situação de carência material, e, muitas vezes, moral.
Em “O Evangelho Segundo o Espiritismo” – para estimulá-los a procurar o texto – aliás, como eu mesmo fiz – não vou dizer em qual capítulo –, há uma frase que ensina como os cristãos podem ser identificados: “Reconhecê-los-eis pelo perfume de caridade que espalham em torno de si.” Não sei por que, tal sentença sempre me remete a Chico Xavier, e, até hoje, fico me perguntando se o perfume que emanava ao seu redor pertencia mesmo a Scheilla!...

INÁCIO FERREIRA

Uberaba, 21 de junho de 2015.



Nenhum comentário:

Postar um comentário